Transtornos do Sono

Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS)

O que é a SAOS

Na SAOS, a pessoa sofre episódios repetidos de obstrução da faringe quando está dormindo (apneias). Dessa forma, o ar não consegue chegar aos pulmões para uma respiração adequada o que leva a despertares e a quedas das taxas de oxigênio no sangue. O sono torna-se fragmentado e superficial e o corpo sofre com essa dificuldade para respirar.

Prevalência

Estudo na cidade de São Paulo mostrou prevalência de 32,8% na população geral.

Manifestações clínicas

A principal manifestação noturna da SAOS é o ronco, portanto, se você ronca, é importante que você converse sobre isso com o seu médico.

Como o sono não é de boa qualidade, a pessoa pode sofrer várias consequências durante o dia: sonolência, cansaço, irritabilidade, problemas de atenção e concentração, impotência sexual, dor de cabeça, entre outros.

A SAOS aumenta o risco de acidentes de trabalho e de acidentes de trânsito.

Se não for diagnóstica e tratada, a saos aumenta o risco de hipertensão arterial sistêmica, infarto agudo do miocárdio, AVC (derrame), arritmias cardíacas e diabetes mellitus.

Diagnóstico

A polissonografia é essencial para o diagnóstico, pois monitora a respiração e a taxa sanguínea de oxigênio durante o sono.

Tratamento

A forma de tratamento depende da gravidade da SAOS e do perfil do paciente, de forma que deve ser indicada após avaliação clínica. As principais modalidades de tratamento são:

Aparelho de pressão positiva (CPAP): indicado na SAOS grave, na SAOS moderada e em alguns casos de SAOS leve. Utilizado apenas durante o sono, o aparelho impede a obstrução da faringe.
Dispositivo intraoral: indicado principalmente em alguns pacientes com SAOS leve. Também utilizado apenas durante o sono, provoca aumento do diâmetro da faringe e, portanto, pode reduzir a ocorrência de apneias.
Cirurgia: alguns tipos de cirurgia podem ser indicados em casos muito específicos.

Insônia

O que é insônia é e quais as manifestações clínicas

Na insônia, a pessoa tem dificuldades para iniciar ou para manter o sono, pois demora para começar a dormir, desperta várias vezes à noite ou acorda cedo demais.

Essas dificuldades com o sono causam problemas durante o dia como cansaço, redução da motivação, irritabilidade, sonolência, maior propensão a erros e acidentes, preocupações com o sono, déficits de concentração ou de memória, entre outros.

Há frequente associação com depressão, ansiedade e outras condições clínicas.

Prevalência

Trata-se um transtorno do sono muito comum, afetando cerca de 15% da população geral.

Diagnóstico

Para o diagnóstico, o mais importante é uma consulta médica onde devem ser avaliados, por exemplo, os sintomas, os hábitos de vida, as condições gerais de saúde, a presença de sintomas depressivos e ansiosos e os tipos e horários das medicações utilizadas.

O exame de polissonografia pode ser necessário em algumas situações, como nos casos em que há suspeita de que a pessoa sofra também de outro transtorno do sono.

Tratamento

A forma mais efetiva de tratamento é a terapia cognitiva comportamental com um profissional com formação específica para tratar insônia. O uso de medicações pode ser necessário em alguns casos, mas só deve ser realizado sob rigorosa supervisão médica.

Para prevenção e tratamento da insônia, é fundamental observar as Medidas para um Sono Saudável.

Síndrome das pernas inquietas (SPI)

O que é SPI e quais as manifestações clínicas

Na SPI há uma vontade irresistível de mover as pernas que melhora ao movimentá-las, como ficar caminhando ou esticando as pernas.

Esses sintomas se iniciam à tardinha ou à noite, quando a pessoa está sentada ou deitada, descansando, assistindo TV, lendo, na igreja, etc. Caso a pessoa não possa mexer as pernas, os sintomas vão aumentando e se tornando cada vez mais desagradáveis.

Frequentemente a SPI causa dificuldades para dormir.

Prevalência

No Brasil, afeta cerca de 6,4% da população geral.

Causa

Há uma influência genética, por isso é comum que outras pessoas da família também apresentem SPI.

Em alguns casos a SPI está associada a doenças como anemia por falta de ferro e insuficiência renal crônica ou ao uso de remédios (como antipsicóticos e remédios para depressão, para enjôo, para tireóide, entre outros).

Algumas mulheres apresentam SPI durante a gestação.

Diagnóstico

Uma consulta médica pode confirmar que os sintomas são mesmo por SPI e não por outras condições como câimbras noturnas e desconforto posicional.

Importante: ficar movimentado os pés de forma rápida e automática, sem nem estar prestando atenção ao que está fazendo, NÃO É SPI.

Tratamento

Deve incluir cultivar medidas para um sono saudável. Para pessoas com sintomas frequentes e intensos, há também diferentes tipos de medicamentos que podem ser prescritos pelo médico, dependendo de cada caso.