Cochilos diurnos longos aumentam o risco de doenças cardiovasculares.

(Yamada et al. Sleep. Dezembro, 2015)

Cochilos diurnos longos aumentam o risco de doenças cardiovasculares.

O hábito de cochilar após o almoço é bastante comum em alguns países, inclusive na América Latina, onde a famosa “siesta” espanhola tem sido adotada por uma boa parcela da população.

Se, no passado, já foi vista como sinal de preguiça, atualmente a sesta é uma prática encorajada por várias empresas em todo o mundo, uma vez que estudos científicos têm demonstrado que pode aumentar a produtividade profissional.

A sesta, entretanto ainda é motivo de algumas controvérsias sobre os seus efeitos na saúde e qual deve ser sua duração. Recentemente, os resultados de uma revisão de 11 estudos científicos sugeriram que cochilos diurnos com duração superior a 60 minutos estão associados a um maior risco de doenças cardiovasculares, como o infarto agudo do miocárdio.

Os autores da revisão observaram que, além das doenças cardiovasculares, cochilos longos também estão associados a maior mortalidade. Por outro lado, cochilos diurnos com menos de 30 minutos de duração parecem se relacionar a uma redução da mortalidade e da incidência de doenças cardiovasculares.

Gráfico Tempo de Cochilo - Minutos/Dia